Translator

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

IRÃO: "MEMBROS DO PARLAMENTO QUEREM MORTE AOS LÍDERES DA OPOSIÇÃO"

.
Irã confirma mortes nos protestos




Membros do Parlamento apelaram para a execução dos líderes da oposição e os causadores das marchas de segunda-feira em várias cidades que se voltaram mortais.
-

Última modificação: 15 de fevereiro de 2011 21:40 GMT
.

O governo culpa os manifestantes pelas mortes de dois participantes de oposição na segunda-feira marchas [AFP]

Um dia depois de protestos aconteceram em várias cidades iranianas, o mundo online é movimentado com relatos de pessoas que morreram, foram feridos ou presos nas manifestações de segunda-feira.

Na sequência dos protestos, vários membros do parlamento do país, pediu represálias contra os líderes da oposição, que apelou para as marchas.

Até agora, dois dos manifestantes foram mortos confirmados por fontes do governo que afirmam que os homens - Sana Jaleh, 26, e Mohamad Mokhtari, 22 anos foram mortos por membros de um grupo ilegal, os Mujahedin do Povo do Irão ».

O grupo negou as acusações na terça-feira, dizendo que as forças de segurança do governo havia "esmagado os manifestantes, rodadas de fogo vivo e gás lacrimogêneo para eles".

Jaleh Mokhtari nomeou-os como "mártires" pelo governo.

MÉDIO-ORIENTE: "IEMENITAS TAMBÉM DESEJAM A DEMOCRACIA"

.
Aumento das tensões no Iêmen


Na capital, os apoiantes pró-democracia e leais ao governo realizaram manifestações opostas.
Última modificação: 15 de fevereiro de 2011 23:36 GMT

No Iêmen, milhares de pessoas voltaram para as ruas pelo quinto dia exigindo o presidente Ali Abdullah Saleh resigne.

Ao mesmo tempo, os números de apoiantes ao governo ocuparam locais estratégicos da capital, entoando slogans e dizendo que não vai permitir que os manifestantes pró-democracia de conduzir o país à instabilidade e ao caos.

Al Jazeera relatórios Hashem Ahelbarra.

BHARAIN: "RUINS VENTOS SOPRAM NAS AREIAS DO MÉDIO-ORIENTE"

Manifestantes ocupam praça Bahrein

Protestos contra o governo continuar no pequeno reino, apesar de pedido de desculpas pelo rei para a morte de dois manifestantes.

Última modificação: 16 de fevereiro de 2011 04:50 GMT



Al Jazeera correspondente diz que a polícia adotou uma abordagem muito pesada para com os manifestantes

Manifestantes anti-governamentais continuam a ocupar uma praça na capital do Bahrein, Manama, após dois dias de violentos confrontos deixaram pelo menos dois manifestantes mortos.

Os manifestantes, em busca de reformas políticas e melhores direitos humanos no Bharain, estão recusar dispersar, apesar de um raro pedido de desculpas do rei sobre as mortes do disparo da polícia.

Sheikh Hamad bin Isa Al-Khalifa fez uma rara aparição na televisão na terça-feira na qual ele expressou suas condolências "pela morte de dois dos filhos de nossa nação querida" e disse que uma comissão iria investigar os assassinatos.

"Vamos pedir os legisladores a olhar para este problema e sugerir as leis necessárias para resolvê-lo", disse ele, acrescentando que as manifestações pacíficas são legais.

Os EUA disseram que era "muito preocupado" pela recente onda de violência em protestos no Bahrein, um aliado próximo de Washington, e instou todas as partes a agir com moderação.

"Os Estados Unidos estão muito preocupados com a violência recente em torno protestos no Bahrein", PJ Crowley, os EUA porta-voz do Departamento de Estado, disse em um comunicado. "Também pedimos a todas as partes a exercer a moderação e se abstenham da violência."

Milhares de manifestantes tomaram as ruas do pequeno reino desde segunda-feira, inspirado as revoltas recentes da Tunísia e Egito.

Uma pessoa foi morta na terça-feira, quando a polícia abriu fogo sobre um grupo de manifestantes que ocupam um cortejo fúnebre para um homem morto durante protestos no dia anterior.

BHARAIN: "RUINS VENTOS SOPRAM NAS AREIAS DO MÉDIO-ORIENTE"

Bahrein investiga mortes de protesto


Oferecendo um raro pedido de desculpas pela parte do Rei à população pela violência da polícia, depois de ser sondado pelos EUA expressando sua preocupação com os distúrbios abalaram seu aliado próximo.
Última modificação: 15 de fevereiro de 2011 21:59 GMT Aljazeera



Pelo menos uma pessoa foi assassinada e vários outros ficaram feridos após a polícia anti-motim no Bahrein abrir fogo contra os manifestantes que ocupavam um serviço fúnebre de um homem morto durante protestos no reino um dia antes.

A vítima, Fadhel Almatrook Ali, foi atingido com espingarda de balas de borracha, no Golfo do estado na capital, Manama, na manhã de terça-feira, Maryam Alkhawaja , director de relações externas do Centro de Bahrein para os Direitos Humanos, disse à Al Jazeera.

"Esta manhã, os manifestantes estavam andando do hospital para o cemitério e teriam sido atacados pela polícia de choque", disse Alkhawaja.

"Milhares de pessoas manifestaram-se pelas ruas, exigindo a retirada do regime - A polícia disparou gás lacrimogêneo e disparou balas de borracha, utilizando força excessiva - é por isso que várias pessoas foram feridas."

Enquanto isso, na terça-feira, os EUA disseram que estavam "muito preocupados" pela recente onda de violência em protestos no Bahrein, um fiel aliado de Washington, e instou todas as partes a agir com moderação.

"Os Estados Unidos estão muito preocupados com a violência recente em torno protestos no Bahrein", o porta-voz do Departamento de Estado, PJ Crowley, disse em um comunicado. "Também pedimos a todas as partes a exercer a moderação e se abstenham da violência."Pelo menos 25 pessoas foram relatadas ter sido tratada dos ferimentos no hospital.

As multidões gritavam "O povo exige a queda do regime!" como se derramou em Pearl Manama Rotunda, durante o cortejo do funeral, na periferia da cidade.Um correspondente da Al Jazeera no Bahrein, que não pode ser nomeado para sua própria segurança, disse que a polícia adoptou uma abordagem muito pesada para os manifestantes."A polícia disparou sobre os manifestantes, esta manhã, mas eles mostraram resistência muito forte", disse o correspondente."Parece que o cortejo fúnebre foi autorizado a continuar, mas a polícia estava jogando um jogo de gato e rato com os manifestantes."

Desculpa RealMais tarde nesta terça-feira, o rei do Barein, o xeque Hamad bin Isa Al-Khalifa, fez uma rara aparição na televisão em que apresentou suas condolências sobre as mortes dos manifestantes.
Ele expressou suas condolências "pela morte de dois nossos queridos filhos" em um discurso transmitido pela televisão e disse que uma comissão iria investigar os assassinatos."Vamos pedir aos legisladores o olhar para este problema e sugerir as leis necessárias para resolvê-lo", disse ele, acrescentando que as manifestações pacíficas são legais.

O porta-voz EUA Crowley disse que o país acolheu promessa do Bahrein para investigar, e instou o Governo a dar rapidamente seguimento ao seu compromisso.



Irritado com as duas mortes, al-Wefaq, principal grupo xiita da oposição,muçulmana do Bahrein, anunciou que estava suspendendo a sua participação no parlamento."Este é o primeiro passo. Queremos diálogo", disse Ibrahim Mattar, um parlamentar al-Wefaq, disse. "Nos próximos dias, estamos indo para pensar em se demitir do município ou de continuar."Al-Wefaq tem uma forte presença no interior do parlamento e no seio da comunidade xiita.

Os manifestantes afirmam que sua principal exigência é a demissão do Sheikh Khalifa bin Salman al-Khalifa, o primeiro-ministro, que tem governado o Bahrein desde sua independência em 1971.Um tio do rei é visto como um símbolo da riqueza da família governante.Os manifestantes dizem que eles também estão exigindo a libertação dos presos políticos, que o governo prometeu, e da criação de uma nova Constituição.


Terça-feira, a violência aconteceu um dia depois de manifestantes observaram um dia de fúria , aparentemente inspirado as revoltas recentes no Egito e na Tunísia.Milhares saíram às ruas na segunda-feira para protestar, provocando confrontos com a polícia anti-motim.

Vídeo do YouTube mostra o desenvolvimento do motim e a polícia a carregar sobre manifestantes, pacíficos, em grande parte durante a demonstração.

Pobreza, desemprego elevado e as supostas tentativas por parte do Estado para conceder cidadania aos estrangeiros sunitas para alterar o equilíbrio demográfico se intensificaram descontentamento entre os xiitas do Bahrein. Cerca de metade do reino pequena ilha de 1,3 milhões de pessoas que habitam o Bahrein, sendo o restante trabalhadores estrangeiros.

A maioria dos cidadãos são xiitas.Online reaçãoAmira Al Husseini , um blogueiro ao Bahrein, que monitora a mídia para o Global Voices Online, disse à Al Jazeera que tem havido uma enorme onda de rancor on-line, no Bahrein."O que vimos ontem e hoje, é uma ruptura com a rotina normal - pessoas como eu, que não são necessariamente a favor dos protestos do que está acontecendo no Bahrein, neste momento, estão falando", disse ela."Estou tentando ser objetivo, mas não consigo - as pessoas estão a ser atingido a tiro."Husseini disse que as pessoas no Bahrein têm muito medo.

"Estamos com medo de sair nas ruas e exigir nossos direitos Tunísia e Egito têm dado as pessoas nos países árabes esperança -. Mesmo se você acredita que algo é impossível."Eu pessoalmente não tenho respeito pela polícia - eles mentem, eles manipulam a história", disse ela.
"Isso está sendo como uma questão sectária - os xiitas querem derrubar o regime, mas não é um levantamento xiita.".

Ele disse que as pessoas de todas as origens e religiões estavam por trás dos protestos em curso.

.
Sobre o Bharain:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Qal'at_al-Bahrain

AS SUAS NOTÍCIAS DO DIA 15.02.11

Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Valongo: Três feridos em colisão
Mãe de Renato quer ir viver para os EUA
Carlos Azenha: Técnico demite-se
Silvio Berlusconi: Reage a ‘manifs’
Alexandre Quintanilha: Nomeado presidente

Capa do Público Público

Processo do microchip vai ser alterado porque o sistema não identifica alguns animais
Economia fecha 2010 em queda e agrava receios de recessão
Curto-circuito provocou pequeno incêndio no edifício da câmara do Porto
Zona euro abdica de reforçar o fundo de emergência financeira depois de 2013
"Luisão vai acabar carreira no Benfica", diz Luís Filipe Vieira

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

CDS-PP vai abster-se em moção que "não é a sério"
Autarquias já têm programas que salvam idosos isolados
Nem pescadores escapam à GNR
40% trocam mensagens atrevidas na Internet
Voto electrónico deixou de ser prioridade

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Oitenta por cento da população mundial sem protecção social
Prostitutas ajudavam em megaburla com IRS
Luisão "acaba carreira" no Benfica
Dias Ferreira é candidato à presidência do Sporting
CDS vai abster-se na moção de censura do BE ao Governo

Capa do i i

Afeganistão. Governo autoriza GNR a gastar 1,5 milhões por ajuste directo
Censura. CDS-PP abstém-se face a moção que "não é séria"
Teleassistência a idosos. "Só agora é que o governo se lembra?"
Sindicalista do STAL foi absolvido
Espinho. Professora do sexo ameaçava passar "com o carro por cima dos alunos"

Capa do Diário Económico Diário Económico

Curto-circuito provoca pequeno incêndio no edifício da câmara municipal
Preço do café sobe no máximo 7,5%
Economia portuguesa deverá entrar em recessão até Março
“Quer extinguir-se a escola privada, pondo uma pública ao lado”
LG Portugal entra no segmento empresarial

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

Bolsas asiáticas valorizam pelo segundo dia
As notícias em foco na edição de hoje, dia 15 de Fevereiro, no Negócios
"Cajas" venderam metade dos investimentos em Portugal
Bancos cobraram 2,6 mil milhões em comissões
Exportadora não cresce por falta de especialistas

Capa do Oje Oje

Wall Street encerra equilibrada numa sessão animada pelas energéticas
Crédito especializado sobe em 2010
Juros da dívida pública estão em máximos
Economia contraiu 0,3% no quarto trimestre
Número de passageiros vai subir 32%

Capa do Destak Destak

Por falar em todos os outros
As gémeas e o risco do rapto parental
Natalie Portman, versão rapper
Homem morto há uma semana encontrado no seu apartamento
Yannick apto, Valdés falha Rangers e Benfica

Capa do A Bola A Bola

Madeirenses em alerta amarelo
Carlos Pereira sem medo de acção judicial do FC Porto
Aimar chega à centena
Só Sevilha, só Falcao
Contador às portas da Volta ao Algarve

Capa do Record Record

Matías para o Rangers
Jara no ataque ao Estugarda
Boxeur Otamendi dá triunfos por KO
Freitas abre porta ao regresso a Alvalade
Carole acelera integração

Capa do O Jogo O Jogo

Scolari apoia decisão de Ronaldo
Raúl admite que deslocação a Valência será "memorável"
Valdés: "Casillas não tocou no Callejón"
Dias Ferreira confirma que é candidato à presidência
Leonardo Jardim: "Não tivemos critério na finalização"

OS POUCO BONS QUE EXISTEM NA ÁSIA PARTEM...!!!

.
Por agora não me irei pronunciar... Estou ligado a Malaca também. Mais tarde o farei. Ainda não sei se a Cátia Candeias parte e não volta mais. Se não volta perdeu-se um dos poucos valores, honestos, que têm aparecido na Ásia Portuguesa.
.
Parabéns à Rádio Macau ao Gilberto Lopes e ao Pedro Saco que são, jornalistas, meus amigos há uns 20 anos e a outros colaboradores do excelente trabalho de reportagem.
.
Depois de abrir o URL, em baixo, clique no circulo vermelho assinalado, na imagem.

Caro Jose Martins,

Estou quase de partida para Portugal.

Convido-o a ouvir a reportagem da Rádio Macau feita em Malaca "em
fo-co" sobre os portugueses de Malaca através do link
.

http://portugues.tdm.com.mo/index.php?se=radio

Com os melhores cumprimentos,
Obrigada por todo o apoio :)
Cátia Bárbara Dias Candeias