Translator

segunda-feira, 12 de março de 2012

A VIDA POR ESPANHA NÃO ESTÁ UM JARDIM DE ROSAS...!!!


Clique a seguir

Juncker admite que Espanha não cumpra metas orçamentais em 2012


RTP com Lusa 
P.S. A grafia é da responsabilidade deste blogue

A CANÇÃO DO "BANDIDO", AO PASSOS COELHO, EM PROCURA DE TACHO

O rumo do Pina Moura


DO MELHOR QUE SE TEM ESCRITO NOS ÚLTIMOS TEMPOS - EM ESTILO OITOCENTISTA -SOBRE FACTOS OCORRIDOS EM "PORTUGAL" NOS SÉCULOS XX e XXI. NEM ALMEIDA GARRET SERIA TÃO ASSERTIVO!



http://c8.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/B3307da1e/9249337_BZG1j.jpeg
Carta Aberta ao venerando chefe do estado a que isto chegou 
Senhor Presidente,
Há muito, muito tempo, nos dias depois que Abril floriu e a Europa se abriu de par em par, foi V.Exa por mandato popular encarregue de nos fazer fruir dessa Europa do Mercado Comum, clube dos ricos a que iludidos aderimos, fiados no dinheiro fácil do FEDER, do FEOGA, das ajudas de coesão (FUNDO DE COESÃO) e demais liberalidades que, pouco acostumados,  aceitámos de olhar reluzente, estranhando como fácil e rápido era passar de rincão estagnado e órfão do Império para a mesa dos poderosos que, qual varinha mágica, nos multiplicariam as estradas, aumentariam os direitos, facilitariam o crédito e conduziriam ao Olimpo até aí inatingível do mundo desenvolvido.


Havia pequenos senãos, arrancar  vinhas, abater barcos, não empatar quem produzisse tomate em Itália ou conservas em Marrocos, coisa pouca e necessária por via da previdente PAC, mas, estando o cheque passado e com cobertura, de inauguração em inauguração, o país antes incrédulo, crescia, dava formação a jovens, animava a construção civil , os resorts de Punta Cana e os  veículos topo de gama do momento.

Do alto do púlpito que fora do velho Botas, V.Exa passaria à História como o Modernizador, campeão do empreendedorismo, símbolo da devoção à causa pública, estóico servidor do povo a partir da marquise esconsa da casa da Rua do Possôlo. Era o aplicado aluno de Bruxelas, o exemplo a seguir no Mediterrâneo, o desbravador do progresso, com o mapa de estradas do ACP permanentemente desactualizado.

O tecido empresarial crescia, com pés de barro e frágeis sapatas, mas que interessava, havia  pão e circo, CCB e Expo, pontes e viadutos, Fundo Social Europeu e tudo o que mais se quisesse imaginar, à sombra de  bafejados oásis  de leite e mel,  Continentes e Amoreiras, e mais catedrais escancaradas com um simples cartão Visa. 

Ao fim de dez anos, um pouco mais que o Criador ao fim de sete, vendo a Obra pronta, V.Exa descansou, e retirou-se. Tentou Belém, mas ingrato, o povo condenou-o a anos no deserto, enquanto aprendizes prosseguiam a sanha fontista e inebriante erguida atrás dos cantos de sereia, apelando ao esbanjamento e luxúria.

No início do novo século, preocupantes sinais do Purgatório indicaram fragilidades na Obra, mas  jorrando fundos e verbas, coisa de temerários do Restelo  se lhe chamou. À porta estava o novo bezerro de ouro, o euro, a moeda dos fortes, e fortes agora com ela seguiríamos, poderosos, iguais.

Do retiro tranquilo, à sombra da modesta reforma de servidor do Estado, livros e loas  emulando as virtudes do novo filão foram por V.Exa endossados , qual pitonisa dos futuros que cantam, sob o euro sem nódoa, moeda de fortes e milagreiro caminho para o glorioso domínio da Europa.

Migalha a migalha, bitaite a bitaite, foi V.Exa pacientemente cozendo o seu novelo, até que, uma bela manhã de nevoeiro, do púlpito do CCB, filho da dilecta obra, anunciou aos atarantados povos estar de volta, pronto a servir.

Não que as gentes o merecessem, mas o país reclamava seriedade, contenção, morgados do Algarve em vez de ostras socialistas.

Seria o supremo trono agora, com os guisados da Maria e o apoio de esforçados amigos que, fruto de muito suor e trabalho, haviam vingado no exigente mundo dos negócios, em prol do progresso e do desenvolvimento do país.

Salivando o povo à passagem do Mestre, regressado dos mortos, sem escolhos o conduziram a Belém, onde petiscando umas pataniscas e bolo-rei sem fava, presidiria, qual reitor, às traquinices  dos pupilos, por veladas e paternais  palavras ameaçando reguadas ou castigos contra a parede.

E não contentes, o repetiram segunda vez, e V. Exa, com pungente sacrifício lá continuou aquilíneo cônsul da república, perorando homilias nos dias da pátria e avisando ameaçador contra os perigos e tormentas que os irrequietos alunos não logravam conter.

Que  preciso era voltar à terra e ao arado, à faina e à vindima, vaticinou V.Exa, coveiro das hortas e traineiras; que chegava de obras faraónicas, alertou, qual faraó de Boliqueime e campeão do betão;  que chegava de sacrifícios, estando uns ao leme, para logo aconselhar conformismo e paciência mal mudou o piloto. 

Eremita das fragas, paroquial chefe de família, personagem de Camilo e Agustina, desprezando os políticos profissionais mas esquecendo que por junto é o profissional da política há mais anos no poder, preside hoje V.Exa ao país ingrato que, em vinte anos, qual bruxedo ou mau olhado, lhe destruiu a obra feita, como vil criatura que desperta do covil se virou contra o criador, hoje apenas pálida esfinge, arrastando-se entre a solidão de Belém e prosaicas cerimónias com bombeiros e ranchos.

Trinta anos, leva em cena a peça de V.Exa no palco da política, com grandes enchentes no início e grupos arregimentados e idosos na actualidade.

Mas, chegando ao fim o terceiro acto, longe da epopeia em que o Bem vence o Mal e todos ficam felizes para sempre, tema V.Exa pelo juízo da História, que, caridosa, talvez em duas linhas de rodapé recorde um fugaz Aníbal, amante de bolo-rei e desconhecedor dos Lusíadas, que durante uns anos pairou como Midas multiplicador e hoje mais não é que um aflito Hamlet nas muralhas de Elsinore, transformado que foi o ouro do bezerro em serradura e  sobrevivendo pusilâmine como cinzento Chefe do estado a que isto chegou, não obstante a convicção, que acredito tenha, de ter feito o seu melhor.
 
Respeitoso e Suburbano,  devidamente autorizado pela Sacrossanta Troika, 
António Maria dos Santos 
Sobrevivente (ainda) do Cataclismo de 2011 

"Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente.
 
 E pela mesma razão."
 
  EÇA DE QUEIROZ

NOTAS VERBAIS FAZ 15 PERGUNTAS A PAULO PORTAS. MAS HÁ BASTANTES MAIS.

15 Perguntas a Paulo Portas. Há bastante mais

E aqui vai o primeiro elenco de Perguntas a Paulo Portas, de cerca de uma centena e meia (uma dúzia com matérias repetidas e outra dúzia com assuntos derivados e sem relação direta com as funções do ministro). É claro que seria uma "revolução", o ministro responder a perguntas de um blogue, mas pior revolução seria não as fazer, até porque as pergunt6as são as desgraça da resposta. Aqui vão quinze:
  1. V.Exa. manifestou já espírito reformador na anterior pasta que exerceu. Depois, por arrastamento e ainda por desconhecimento aceitou nomear chefias do tempo do seu predecessor que lhe foram sugeridas. O PM anunciou uma revolução na administração pública com os concursos para os cargos dirigentes. Porque é que V.Exa, que acredita no mérito e no esforço, não promove, de imediato, estes concursos no Ministério que agora dirige?
  2. Pode explicar quais as funções, interesse e justificação de uma Subsecretária de Estado Adjunta do Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, nos tempos que correm?
  3. Vou questioná-lo se vai averiguar e entregar à Polícia Judiciária a "roubalheira" infame que foi levada a cabo na Embaixada de Portugal, em Banguecoque, onde desapareceram centenas de milhares de euros recebidos do arrendamento de uma parcela de terreno a um hotel de 5 estrelas. Houve abuso de poder de certos embaixadores que gastaram, dinheiros que não eram deles, à tripa forra.
  4. Para quando se obrigará os EUA a começarem a pagar em numerário (por exemplo, numa estimativa assim modesta, 999 milhões de... Euros, anuais) a utilização (imperial) da Base das Lages, nos "Azores" (como é designado no Congresso).
  5. Foi prática corrente durante o mandato do Secretário-Geral precedente, a designação de diplomatas para postos ainda antes de os respectivos concursos terem sido abertos. Poderá V.Exa. pôr termo a este enviesamento e promover maior transparência?
  6. V.Exa. definiu como prioridade a lusofonia que, paradoxalmente, está reduzida a uma magra divisão no Ministério que dirige. Poder-lhe-á dar V.Exa., de direito o estatuto que a Lusofonia merece dentro e fora do Ministério que dirige?
  7. V.Exa. anunciou que iria dar prioridade à diplomacia económica, mas nem os mais aptos estão qualificados para a exercer. Tenciona V.Exa. mobilizar o capital de experiência, o potencial e a sabedoria do Instituto Diplomático para formar os diplomatas, de forma séria e aprofundada, na Diplomacia Económica?
  8. O exercício de funções em postos difíceis e em continentes difíceis deixou de ser premiado e o simples facto de se ter exercido consecutivamente dois postos A na Europa não é hoje factor impeditivo para que se chegue rapidamente a Chefe de Missão. Poderão ser restaurados critérios de transparência que outrora vigoraram e respeitar-se antiguidade, o mérito e a competência?
  9. O que é que Portugal vai fazer no Conselho dos Direitos do Homem? Vai fazer o que não pode fazer pela premência da sua diplomacia económica, ou vai ser esse mais um instrumento de omissão ao serviço da referida?
  10. O lugar de Director do Gabinete de Informação e Imprensa era habitualmente confiado no passado a uma figura eminente com prestígio na diplomacia. Nos últimos tempos esta figura viu-se esfumada em proveito de Assessores de Imprensa não diplomatas. Não poderia V.Exa. restaurar o prestígio antigo desta função e confiá-la a um diplomata qualificado?
  11. O Embaixador de Portugal na OCDE não existe há dez meses. Porquê? Não é importante? É para poupar? Não há gente qualificada?
  12. Nas propostas de nomeação de embaixadores, V.Excia tem tido em conta os arquivos da Inspeção Diplomática, ou que lá mora é para esquecer?
  13. Portugal anunciou que iria dar prioridade ao Serviço Europeu de Acção Externa, mas há vagas que outros países anunciam nos respectivos sítios web e que Portugal ou não publica, ou não anuncia, ou não comunica. Poderá V.Exa. promover uma política mais transparente a este respeito? E definir uma estratégia apropriada - que não existe - e que passa pela promoção de gente capaz para os lugares certos?
  14. Um seu predecessor, Professor Freitas do Amaral anunciou concursos para os cargos de conselheiros técnicos nas Embaixadas e Missões Permanentes, o que nunca veio à luz do dia. Porque não põe V.Exa. isto em marcha já?
  15. Por que motivo, o recurso ao regime de substituição pata tanto lugar de diretor e chefe?

0 comentários:

VELHOS RABUGENTOS O MINISTRO PEDRO MOTA SOARES RESOLVEU O VOSSO PROBLEMA DE FALTA DE CAMAS

O Milagre das camas


O Ministro da Solidariedade Social, Pedro Mota Soares, anuncia, este sábado, as alterações legais que vão permitir abrir mais 10 mil vagas nos lares portugueses. 
O objectivo é maximizar as capacidades instaladas e colocar mais pessoas por cada quarto. Em suma, muitos individuais passarão a duplos e serão muitos os duplos que passarão a ter três pessoas. 
É o milagre das camas. O ministro do Audi estala os dedos e os lares duplicam a sua capacidade. Onde havia uma põem-se duas camas. Se mesmo assim não ficarem satisfeitos há sempre a possibilidade de se passar para o beliche e quadruplicar  a capacidade. 
Isto é a descoberta do Ovo de Colombo da governação e agora também pode vir o Ministro da Saúde duplicar o número de vagas nos hospitais ou o da Educação dizer que vai reduzir o numero de professores e de turmas para metade bastando para isso encaixotar 60 alunos em cada turma.

LÁ TENHO EU QUE VOTAR NO MARCELO SE DER O SEGUNDO MERGULHO NO TEJO...

HÁ 26 ANOS A NAVE ESPACIAL CHALLENGER EXPLODIU


A explosão do Challenger o jornal "The Huffington Post" publicou um vídeo, caseiro, gravado há 26 anos sobre a tragédia da nave
 espacial Challenger, que explodiu depois de 73 segundos após o lançamento em Cabo Canaveral (Flórida) em 1986

video

PRONTO O MARCELO VEM SEMPRE COM "BOCAS" TARDE E A MÁS HORAS...!!!

Marcelo Rebelo de Sousa diz que Cavaco tem interpretação minimalista dos seus poderes

Marcelo Rebelo de Sousa considera que o Presidente da República, Cavaco Silva, tem uma interpretação minimalista dos seus poderes, visto que não demitiu o Governo de José Sócrates na altura em que sentia deslealdade institucional.

CÁ POR MIM "CAGUEI-ME" PARA O SARKOZY, PARA A FRANÇA E ESPAÇO SHENGEN!!!

Sarkozy ameaça retirar França do espaço Shengen de livre circulação



António Carneiro, RTP | Publicado há 13 minutos
A pouco mais de um mês das presidenciais francesas, Nicholas Sarkozy volta a apostar no tema da imigração ilegal para atrair o eleitorado mais à direita e colmatar a diferença de votos que o separa do seu principal adversário, o socialista François Hollande. Depois de ter declarado, há dias, que havia “demasiados estrangeiros em França” o ainda Presidente francês assegurou agora que, se for reeleito, poderá retirar a França do espaço europeu de livre circulação definido no tratado de Shengen. Isto se, no prazo de um ano, a Europa não fizer progressos suficientes para proteger as suas fronteiras da entrada de imigrantes ilegais.

"SE A ESTRUTURA DA ECONOMIA NÃO MUDAR, NUNCA TEREMOS MAIS PROSPERIDADE. SEREMOS APENAS MAIS POBRES"


Portugal não se pode dar ao luxo de perder consenso em torno do plano da Troika e o Governo tem de ter a coragem de enfrentar os interesses que vivem à sombra do Orçamento de Estado e de quem é mais frágil. É um caminho que nos mantém sob a ameaça de reestruturação mas que nos garante um futuro melhor, de mais crescimento. Se a estrutura da economia não mudar, nunca teremos mais prosperidade. Seremos apenas mais pobres.
Helena Garrido, Jornal de Negócios

O ARDINA COM AS ÚLTIMAS "BOCAS"


As capas dos jornais e as principais notícias de Segunda-feira, 12 de Março de 2012.

Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Albufeira: Colisão com danos
Sines: Incêndio em eucaliptal
Empresas é que decidem onde cortar
Lusoponte: Devolve com juros
Angela Merkel: Falha poupança
Jerónimo de Sousa: Dinheiro só para Banca
Lisboa: Fere mulher à facada

Capa do Público Público

Tenha acesso a mais informação. Torne-se assinante Público.
Glaciares da Gronelândia são mais sensíveis ao aquecimento global
Marcelo diz que Lusoponte vai devolver compensação das portagens com juros
Sá Pinto: "Foi o jogo perfeito"
Indignados espanhóis estão "em casa", um ano depois
Geração à rasca: um ano depois para onde foi a indignação?
Marcelo diz que Cavaco ficou com os poderes presidenciais minimizados

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

O meu herói nas próximas semanas
Agride companheira com faca
Um morto em colisão com comboio na linha do Algarve
16 fogos ativos, mais significativos registam-se no Norte
23 fogos em curso, mais significativos registam-se na região Norte
9 mil operacionais e 44 meios áereos na fase crítica
Pároco responsabiliza funerária no caso do cadáver

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Hebe Camargo é internada e passa por cirurgia de emergência
Reforma laboral leva revolta às ruas espanholas
Avenida em Campanhã às escuras há quatro meses
Bluff de mil milhões com as minas de Moncorvo
Cláudia Jacques lança livro rodeada das filhas e dos pais
Beldades da televisão seguem as tendências
Ronaldinho marca, é expulso e Flamengo vence clássico

Capa do i i

Capa do Diário Económico Diário Económico

Banca estrangeira cortou exposição a Portugal em 10%
Queiroz Pereira admite reforçar posição na Secil
Cimpor sujeita a multa de 14,8 milhões por cartel na África do Sul
“Não creio que a redução de um operador fosse aceite pelas autoridades”
Sonangol quer maioria do capital da Galp Energia
Grupo Bosch afasta novos reajustamentos em Portugal
Rocim investe 1,5 milhões de euros em hotel de charme

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

Um ano depois, a geração à rasca deu lugar ao Portugal à rasca
Rebelo de Sousa e António Costa "correm" à Presidência da República
Subsídios às low-cost: "Pão para hoje e fome para amanhã"
Cavaco a quente e a despropósito
O problema da dimensão empresarial
Rebelo de Sousa considera que poder de Cavaco Silva ficou fragilizado
A primeira página do Negócios da edição de hoje

Capa do Oje Oje

Comentário: Acionados CDS sobre a dívida grega
O novo Google Play!
Finalmente é sexta-feira: De visita a Portugal
Doce História – Lisboa: O ponto forte dela é o nosso ponto fraco
Brincar, divertir-se e aprender
Penela: Castelos que dominam montes e vales
Toyota espera aumentar vendas na Europa apesar da crise

Capa do Destak Destak

CGTP debate hoje aumento do Salário Minimo Nacional
Dois fogos ativos, um deles no Parque Natural Peneda Gerês
Bolsa de Tóquio fechou sessão em baixa de 0,4%
ARENA venceu eleições legislativas
Quase metade dos chineses não se opõem à "democracia estilo ocidental", mas consideram-na "irrealista" -- sondagem
Novos ataques aéreos israelitas causaram dois mortos em Gaza - fontes médicas
Menezes defende que Neymar deveria jogar na Europa

Capa do A Bola A Bola

Luis Suarez admite jogar no PSG
Manchester City já terá acordo com Van Persie
LA Galaxy de Beckham entra a perder na MLS
Ronaldinho marca e é expulso na vitória sobre o Fluminense
Maradona quer negociar dívida para poder regressar a Nápoles
Insúa felicita equipa e Jeffrén
Indian Wells: Azarenka continua invencível em 2012

Capa do Record Record

Gestão de risco
Liberdade condicionada para o tal candidato
O substituto certo
Júlio Mendes: «Comigo o Vitória vai ter um futuro de esperança»
Motorista faz história
Atirador com pontaria cada vez mais afinada
Nani falha encontro do United por lesão

Capa do O Jogo O Jogo

Um ponto no pódio, mais de três golos de média
Virose provoca seis abandonos
Sá Pinto: "Foi o jogo perfeito para qualquer treinador se orgulhar"
Van Wolfswinkel: "Inter? Não há motivos para sair"
Rui Vitória: "Os salários em atraso tornam a reação mais difícil"
Nilson: "Os salários em atraso serão resolvidos esta semana"
Tiger Woods abandona torneio