Translator

terça-feira, 26 de junho de 2012

KAOS:Um Eixo para o Iraque




"Portugal não representa meramente um mercado de cerca de 10 milhões de consumidores. Tem um conjunto de relações privilegiadas a nível cultural, linguístico, económico e empresarial com várias regiões do globo, passando pelos países de expressão oficial portuguesa, pelo norte de África e o continente americano, pelo que nos devemos posicionar como eixo geoeconómico estratégico entre o Iraque e estes espaços regionais", afirmou o ministro Álvaro Santo Pereira.»
Oh homem, vai vender pasteis de nata para o Canadá e cala-te. É que de uma personagem cómica já está a atingir o ridículo. «Portugal pode posicionar-se como um "eixo geoeconómico estratégico" para o Iraque, através da geografias com as quais tem "relações privilegiadas". Interne-se o Ministro ou melhor enviem-no como delegado comercial permanente para o Iraque. Só fico com pena é dos Iraquianos que depois de uma invasão dos Americanos teriam de sofrer uma provação ainda maior, aturar o Álvaro.

Desemprego sobe em França

Desemprego sobe em França
legenda da imagem
RTP

Há 13 meses que o número de desempregados não pára de subir na segunda maior economia da zona euro. Mais de 30.000 pessoas registaram-se em maio nos centros de emprego, o maior número desde Agosto de 1999. Há mais de quatro milhões e meio de desempregados registados, em todas as categorias.

Segundo o Dares, o serviço estatístico do ministério francês do Trabalho, registaram-se em maio mais 33.300 pessoas nos centros de emprego, uma subida mensal de 1.2% e de 8.0% no período homólogo.
.
A subida registou-se na categoria A, que designa aqueles que não tem nenhuma actividade.

.
Em Abril, o acréscimo de registos foi de 4,300 e em Março de 16,600. Após um breve período de descida na segunda metade de 2010, o desemprego tem estado a crescer em França há 13 meses seguidos. 2.922.100 de pessoas estão agora inscritas na categoria A.

.
A subida é a segunda desde a tomada de posse do novo Presidente francês, François Hollande e é também um sinal das deterioração económica da segunda maior potência económica da zona euro.

.
Nas categorias B e C, que registam desempregados com alguma actividade, o número diminuiu, pelo que o número total de novos desempregados em maio é de 29.000 pessoas, ou seja um crescimento de 0,6% relativamente ao mês anterior e para um total de 4.621.000 desempregados.

Novos e velhos mais afetados

.
As faixas mais afetadas continuam a ser os jovens e os trabalhadores séniores, com uma subida de 1% e de 1,2% respetivamente, em todas as categorias (A, B e C).
.
Nos últimos 12 meses, o número de pessoas com mais de 50 anos que pedem emprego explodiu, subindo mais de 14%. Os desempregados de longa duração permanecem os mais numerosos e são mais 1,2% do que em abril de 2012 e mais 8,5% do que há um ano.

.
O reemprego recuou ainda 7% e só os estágios sobem de forma fortissima, mais de 37%. A situação é por isso inquietante, como sublinha o ministro francês do Trabalho, Michel Sapin.

.
"O governo já decidiu mobilizar 80.000 contratos adicionais subsidiados em 2012", escreveu em comunicado a 13 de junho. "O emprego será uma das prioridades na preparação do orçamento de 2013" acrescenta o ministro francês.

"VITOR GASPAR, COMO SE SABE, ENGANOU-SE...."




Vítor Gaspar, como se sabe, enganou-se em tudo - no diagnóstico e no tratamento. Ontem, no Parlamento, era a plácida imagem de quem nem imagina onde isto vai dar: "O que distingue uma crise é o grau de incerteza final" e "os riscos são consideráveis". Sábias palavras do homem que teimosamente nos leva por caminhos pedregosos que nem ele conhece.
Manuel Catarino, Correio da Manhã

RETRATO DE PORTUGAL NA ÓPTICA DE HENRIQUE NETO








 Retrato do País feito pelo consagrado industrial e respeitado político socialista Henrique Neto. Várias décadas de políticos sem ideias, sem estratégia,  muito ignorantes e docilmente  manipuláveis pelos grandes interesses, destruiram o tecido produtivo do país. E não se vê melhoria...    


O retrato do País

 Documento publicado na edição de hoje (23 de Junho de 2012) do diário i.

Henrique Neto:
“A maçonaria corrompe o PS e a democracia com alianças secretas”

Diz que Salazar dá por certo voltas no caixão quando hoje fazemos concessões à estratégia de Madrid. E revolta-se quando recorda que aceitámos destruir a nossa pesca e a nossa agricultura. Acusa a maçonaria de corromper o PS e a democracia com alianças secretas e planos de poder que atropelam os interesses do país. Deste governo, Henrique Neto diz que mantém aquilo que caracterizou os anteriores, a falta de estratégia e a defesa dos interesses das grandes empresas de serviços e bens não transaccionáveis, contra os interesses das empresas que poderiam tornar Portugal competitivo na economia moderna se houvesse incentivo à exportação.

Qual é a sua opinião sobre o novo Código do Trabalho?
Sempre considerei desnecessária a preocupação permanente dos empresários e das associações empresariais com o Código do Trabalho. O código não é o problema principal da economia portuguesa. Os problemas da economia portuguesa são outros e a obsessão excessiva com o Código do Trabalho acaba por desviar os empresários daquilo que é essencial. O distrito de Leiria, que nunca se preocupou muito com isso, tem hoje uma economia que está em muito melhor estado que a média do país, uma economia em que o crescimento da exportação é o dobro da média nacional, o desemprego é muito menor, o saldo da balança comercial é positivo, é um dos poucos distritos do país – o outro é Aveiro – que têm há já muitos anos um saldo da balança comercial positivo, o que corresponde ao grande objectivo nacional, e regista um número superior de empresas criadas que de empresas a fechar. O distrito de Leiria tem portanto na economia do país uma posição de liderança e o Código do Trabalho nunca foi ali uma obsessão dos empresários.

Que problemas são essenciais?
Por exemplo: os custos dos serviços que os empresários compram, nomeadamente ao sector de bens não transaccionáveis, que são os grupos económicos que estão no mercado interno, sejam serviços financeiros, sejam telecomunicações, energia, etc. – um sector que tem sido privilegiado pelo Estado. Esses custos são para os empresários, nomeadamente os exportadores, mais pesados e mais importantes que os problemas ligados ao Código do Trabalho. O banco de horas, que é uma das ferramentas agora introduzidas, já era praticado por algumas empresas do distrito de Leiria, nomeadamente na minha, há uns dez ou doze anos.

Porquê?
Porque havia diálogo com os trabalhadores, que perceberam que aquilo era bom para a empresa e não era mau para eles, porque lhes permitia juntar fins- -de-semana maiores, ter umas férias ou receber o dinheiro no caso de trabalharem horas que depois não eram compensadas com horas num prazo de três meses. As leis do trabalho nunca foram aquele papão que muita gente – políticos e associações empresariais – aponta.

Essa obsessão é contraproducente?
Ao fixarem-se muito nessa questão das leis do trabalho, os governos acabam por menosprezar os factores mais relevantes, que podiam fazer crescer e dinamizar a economia portuguesa.

Que factores?
Por exemplo, a formação dos recursos humanos, mas também a exportação, o financiamento adequado das empresas, a organização judicial, a atracção de investimento estrangeiro – que é mal feita ou não é sequer feita, a promoção dos produtos portugueses no estrangeiro – com uma estratégia que defina onde promover, que é uma questão muito importante. Quando se fixam nas leis do trabalho, os governos acabam por menosprezar coisas muito mais importantes. Ou até a logística, que é um dos grandes problemas da economia portuguesa. Os governos têm ignorado aquilo que realmente poderia empurrar a economia portuguesa para o crescimento.
Dificultando assim a vida aos empresários dos sectores mais dinâmicos e mais modernos da economia, sim?

A insistência do governo nas leis do trabalho acaba por reforçar a parte da economia mais tradicional, mais conservadora, aquela que provavelmente vai desaparecer, aquela que vê na mão-de-obra a única salvação, sem perceber que não conduz a nada.

Voltemos aos problemas da economia portuguesa. Quais são?
O problema maior são os custos dos transportes, da burocracia, da energia e das telecomunicações – aquilo que se chamou “custos de contexto”, na versão de Miguel Cadilhe. Em segundo lugar, a logística – fizemos auto-estradas, gastámos dinheiro que não tínhamos em auto--estradas, e esquecemos o transporte marítimo e ferroviário. Ora seria o transporte marítimo e ferroviário que poderia cortar muitos dos custos e pôr Portugal numa melhor situação, aumentando a rapidez na exportação. Em terceiro lugar, a justiça – ter uma justiça rápida é essencial. E ter financiamento, nomeadamente um financiamento às encomendas que as empresas têm, porque acontece as empresas terem encomendas e não terem dinheiro para lhes dar resposta – um financiamento que já foi feito por Miguel Cadilhe, quando foi ministro, com grandes resultados.

Não seria de desejar uma articulação mais profunda entre as empresas e a universidade?
Claro que a ligação à universidade deveria ter sido muito mais promovida. Tem havido uma insistência nos doutoramentos feitos à revelia das empresas, nomeadamente, mais uma vez, das empresas dos sectores de bens transaccionáveis. No período do governo do professor Cavaco Silva desprezaram-se as pescas e a agricultura, foram promovidos processos de desindustrialização – nomeadamente na área da metalomecânica pesada. Tudo isto são erros, pois uma economia para se desenvolver tem de ser forte em todos os seus sectores, não apenas nos serviços. Deveríamos ter aberto o leque da oferta portuguesa, nomeadamente no sector alimentar – reduzir a dependência do exterior, que tem efeitos mortais, em especial num período como o actual.

Sem que tenha sido incentivada a exportação, sim?
Esse é outro grande problema. Portugal é o único pequeno e médio país da União Europeia que tem uma estrutura económica própria dos grandes países. Os grandes países como a Alemanha, a Espanha, a Polónia, a França, a Itália, têm uma economia em que as exportações representam cerca de 30% a 40% do PIB. Os países pequenos, como a Irlanda, a Holanda, a Dinamarca, a Áustria, a República Checa, a Eslováquia, têm exportações que se situam entre 55% e 85% do PIB. E é natural que assim seja, visto que têm pequenos mercados internos e, para rentabilizar aquilo que fazem, têm de conquistar mercados maiores, e portanto têm de exportar, senão não têm desenvolvimento. As exportações de Portugal representam 32% do PIB – ou seja, temos um nível de exportações semelhante ao da Espanha ou da Alemanha, como se tivéssemos um grande mercado interno. Há que ter consciência de que menos de 60% não vai permitir que haja emprego em Portugal.

Como conseguir isso, na situação em que estamos?
Há que dialogar com os empresários. Em Portugal não existe um diálogo dos governos com os empresários portugueses. O governo privilegia aquelas grandes empresas que precisamente fazem os custos mais elevados – a EDP, a GALP, a PT, etc. –, que são os sectores parasitas da economia portuguesa, os sectores de bens não transaccionáveis, quando os governos deveriam ter, já há muitos anos, dado prioridade absoluta aos bens transaccionáveis. E há que ter uma logística eficiente – só o porto de Sines, se fosse bem capacitado, poderia ser um grande factor de atracção do investimento estrangeiro e de grandes empresas, que chamo integradoras – a Autoeuropa é uma empresa integradora, pois compra componentes que vêm dos EUA, da China, de Portugal, da Espanha, da Alemanha, que são montados ali em Palmela, exportando em seguida os carros para a China, os EUA, etc. A forma, a rapidez e os custos do que chega e a rapidez com que isso chega aos mercados de destino nos outros continentes e ao centro da Europa é essencial hoje, numa economia moderna. A Autoeuropa está a exportar bem para a China e os EUA porque tem um porto quase privativo e os navios chegam ali quando eles querem.

Não está assegurado o escoamento da produção das empresas portuguesas?
Os navios não param cá. Só param quando têm uma carga inteira e isso só acontece uma vez por mês para os EUA, uma ou duas vezes por mês para a China, e as pessoas não podem ficar à espera um mês que o barco pare aqui. O porto de Sines não foi feito com a dimensão necessária. Os barcos na última década cresceram e transportam agora 12 mil contentores, estão em construção barcos para transportar 18 mil contentores, barcos que precisam, para descarregar, de portos muito especiais, que têm de ser muito rápidos e têm de dispor de um espaço muito grande de armazenamento. Descarregam tudo e outros navios pequenos encarregam-se de distribuir as mercadorias por outros pontos da Europa. Os espanhóis desenvolveram isso em Algeciras, os marroquinos criaram um porto em Tânger, e hoje esses grandes navios, que podiam vir aqui descarregar e carregar, vão para Valência, Algeciras e Tânger-Med. Portugal tem a melhor posição, eles levam mais meio dia de viagem para lá chegar, mas Portugal não tem um porto à altura. Se tivéssemos esses navios a parar aqui regularmente, isso seria uma grande fonte de atracção de investimento estrangeiro.

O actual governo tem uma estratégia?
O principal problema é que os governos não têm tido uma estratégia. E este governo não tem uma estratégia. Podemos dizer que os governos de Mário Soares tinham uma estratégia, se chamarmos estratégia à decisão de entrar na União Europeia e aderir ao euro. Depois disso nunca mais houve nenhuma estratégia. Muito bem, entrámos na UE. E depois? Transformámos Portugal naquilo a que chamamos o “bom aluno”. Tínhamos tido um certo êxito económico nos anos 60 e 70, com a entrada de Portugal na EFTA, o que levou muitas empresas internacionais a fixarem-se em Portugal. Na altura tinham um incentivo, que eram os baixos custos de mão-de-obra. A partir da entrada da China no mercado mundial, teríamos de ter encontrado novas vantagens.

E que tipo de vantagem devia ter sido procurada?
Aquilo a que chamo uma estratégia euro-atlântica: estarmos em Portugal, sermos um país europeu, interessado nos mercados europeus, mas ao mesmo tempo um país atlântico, virado para o mar. Daí Sines, daí os portos. E seria essa a nossa vantagem competitiva – sermos um país europeu, mas termos a melhor posição geográfica e logística para nos relacionarmos com os outros continentes. Um porto de dimensão moderna daria continuidade e razão de ser ao investimento estrangeiro que foi a nossa safa nos anos 60 e 70. À medida que a China ia ganhando mercado na Europa e no mundo inteiro, era evidente que o factor mão--de-obra teria de ser substituído por outro. Faltou a estratégia de ligação aos outros continentes.

O que no fundo fora a nossa estratégia durante séculos, não?
Pelos menos ao longo de seis séculos. Éramos um país europeu, mas já tínhamos problemas nos séculos xiv, xv e xvi, porque tínhamos uma economia menos agrária e menos desenvolvida que os outros países. Virámo-nos para o Atlântico porque era uma vocação natural – para África, o Oriente, a América do Sul, os Estados Unidos.

Vê neste governo essa falta de estratégia?
O actual governo mantém a falta de visão estratégica. O maior erro estratégico português do pós-25 de Abril foi cometido por Durão Barroso, então primeiro-ministro, com o acordo que assinou em 2003 com os espanhóis na Figueira da Foz, que sancionava a construção do TGV. Uma decisão trágica, pois foi contra séculos de história portuguesa. Recentemente o primeiro-ministro anunciou ao país a intenção de fazer uma linha ferroviária de bitola europeia de Sines até Badajoz. No dia seguinte o “Público” escrevia que isto é impossível, pois em Espanha só há bitola europeia de mercadorias a partir de Barcelona. Entre Badajoz e Barcelona não há nenhuma linha férrea.

Ou seja, estamos a aceitar que Lisboa entregue a Madrid a nossa ligação à Europa?
Isto é tão estúpido e tão absurdo que revela a falta de estratégia de qualquer governo. Durante oito séculos, os nossos dirigentes tudo fizeram para não reforçar o poder de Madrid, tirando até partido da dificuldade de Castela em amarrar as autonomias ao poder central de Madrid. Nunca negociámos com Espanha, fora raras excepções, como Tordesilhas. Negociávamos com o Vaticano, a Inglaterra, a França, a Holanda, mas nunca com a Espanha. O que era compreensível, pois queríamos estar defendidos com alianças com outros mais fortes que nós. E os nossos antepassados mantiveram essa coerência quando chegou a hora do caminho-de-ferro – fizeram uma linha entre o Porto e Lisboa, de Lisboa para o Sul, e a linha para Irún e depois Paris. Nunca por Castela. Espanha utiliza a logística para dominar as autonomias: através das ligações a Sevilha, Barcelona, Bilbao, Vigo – nem todas terminadas. E nós, em vez de furar isto e fugir a esta estratégia espanhola de centralização logística, aceitámos. E agora vem Passos Coelho e defende uma linha ferroviária de bitola europeia para mercadorias para Madrid !!!

E há a electricidade francesa, mais barata que a espanhola, que poderíamos ir buscar.
Embarcámos no Mercado Ibérico de Electricidade (MIBEL). Os espanhóis insistiram, na Figueira da Foz e depois disso, que ligássemos a nossa rede eléctrica à Espanha. E a REN anda a gastar milhões a fazer linhas para a fronteira, quando não devia fazê-las. Mas está a gastar milhões para ligar a Espanha, para os espanhóis nos venderem electricidade. Mas os espanhóis não fizeram nem uma linha de ligação a França, pois a electricidade em França é mais barata e a partir do momento em que a electricidade francesa pudesse entrar em Espanha também entrava em Portugal mais barata. Os espanhóis têm uma estratégia clara e coerente, nós não temos estratégia e em tudo vamos atrás daquilo que nos impingem.

A inércia e o seguidismo é consequência do provincianismo a que nos remeteu o salazarismo?
Um provincianismo não seguidista – Salazar nunca seguiu ninguém, o salazarismo não pecou por falta de estratégia. Salazar usava uns contra os outros. Ajudou Franco a chegar ao poder para travar a Alemanha nazi – tendo aqui ao lado um governo amigo dos alemães, estávamos protegidos. Mas nunca deixou de atender aos ingleses e junto dos ingleses defendeu os espanhóis, pois os ingleses tinham--se batido contra o regime de Franco. Vendia volfrâmio aos alemães e aos ingleses, em quantidades que combinou com as duas partes. Depois quando os americanos entraram na guerra, para conter os espanhóis, cedeu os Açores e aliou-se aos EUA. Acabada a guerra, entrou na NATO e fez tudo, junto da Inglaterra e dos EUA, para que a Espanha entrasse, pois a Espanha dentro da NATO era menos perigosa. Hoje não é com exércitos que se defendem interesses e se conquista poder – é economicamente, através da logística, do acesso às fontes de energia. Salazar dá voltas no caixão quando hoje fazemos concessões à estratégia de Madrid.

Durante o governo de José Sócrates denunciou técnicas da maçonaria que, no seu entender, abafavam, no PS, os processos democráticos. O PS mudou desde então?
Técnicas maçónicas, usadas por maçónicos. A maçonaria tem uma grande importância no PS. A maçonaria tem essa diferença em relação ao país – a maçonaria tem e sempre teve uma estratégia, uma estratégia de poder. Não o poder como instituição, mas o poder para os membros da maçonaria. Hoje o poder é poder económico. E como o secretismo é uma vantagem, é fácil aos maçons controlarem deliberações, grupos de decisão. Tenho experiência de quando estava no parlamento. Numa comissão de inquérito, se quatro ou cinco das 20 pessoas são da maçonaria, os outros votam de acordo com a sua visão e eles decidem todos juntos a nomeação de alguém, numa instituição, num concurso público, e a maçonaria tem vantagem.

E quando estão em partidos diferentes?
Agora nesta polémica recente com as secretas, verificou-se que três dos cinco líderes parlamentares são da maçonaria. Quando foram escolhidos, não foi a maçonaria que enviou uma carta a mandar que fosse escolhido aquele senhor, mas foram as pessoas da maçonaria que estavam no grupo parlamentar que foram empurrando os seus correligionários.

Se os temos em diferentes partidos, há maior risco de serem tomadas decisões contra os interesses do Estado?
Estes problemas da energia, os custos da energia, uma pessoa como o António Mexia, ou o Jorge Coelho, ou o Relvas – têm todos ligações à maçonaria. Sabemos que há grupos de interesses. A Ongoing estava a organizar o seu grupo de interesses, de certo modo estava a copiar o grupo BES, que tem isso já mais organizado na parte mais privada da economia, tem uma organização muito eficiente. Manuel Pinho é um homem do BES, o Durão Barroso era um homem próximo do BES, que lhe pagou os estudos nos EUA. Ao Manuel Pinho não pagaram os estudos, mas pagou a EDP, que o Manuel Pinho tinha apoiado e onde o BES tem bastante poder, como na PT – o presidente da PT é um protegido do grupo BES há 30 ou 40 anos. É louvável proteger e dar educação a uma família pobre, mas tudo isto cria uma malha que depois desvirtua o método democrático. Miguel Frasquilho, vice-presidente da área de Economia do grupo parlamentar do PSD, é um homem do BES. Sócrates foi muito apoiado pelo BES, disseram bem do governo, Ricardo Salgado nunca negou elogios a Sócrates. Mais – os banqueiros, no seu conjunto, BCP, BPI, Santander, não foram mais cedo apontar a faca ao peito de Sócrates para ele pedir ajuda porque Ricardo Salgado lhes pediu, na sede da associação dos bancos, que não o fizessem. A Ongoing saiu do nada e sabia que tinha de criar a sua rede de influências. Eles ajudavam Sócrates com a TVI e o governo ajudava-os nos créditos do BES e da CGD. A nenhum português um banco emprestaria 500 milhões de euros como emprestaram à Ongoing.

Com resultados perversos para a democracia, não?
Um é perfeitamente evidente: o enfraquecimento daquilo que nas sociedades modernas é muito importante – a sociedade civil e as lideranças da sociedade civil. Os líderes da sociedade civil são capturados por esses interesses. Veja o exemplo do actual presidente da EDP, Eduardo Catroga. É um homem com qualidade, é um líder de opinião, e não temos tantos como isso. Antes de o governo actual ter sido eleito e mesmo depois, antes de ter sido nomeado para presidente da EDP, Catroga era dos críticos mais ferozes e mais contundentes da questão das rendas excessivas – na energia, PPP. A partir do momento em que passa a ser presidente da EDP, justifica, das maneiras mais absurdas, as rendas excessivas. Se pensarmos que isto acontece com um, dois, três, dez destes líderes – e acontece com as pessoas que estão nos mais diversos cargos na CGD, na GALP, na EDP, na REN, etc. –, há muito poucas que permanecem independentes, que não se vendem.

FENÓMENO DA NATUREZA E DAS CALDAS



A mancha   do cachorro um capricho da natureza
Nem quero imaginar o nome do bicho... mas um fenómeno das Caldas.

PERFIL DO BIFE (DURO COMO CORNOS) TIO HENRY




Realmente é NOSSO ÍDOLO !

-

Este é o gajo! 
Veja
 descrição a seguir: 


 
Henry Allingham nasceu em Londres em 1896, quando ainda 
reinava a Rainha Vitória. É veterano da 1ª Guerra Mundial, 
participou das batalhas de Yopres e Jutlândia e fez parte do 
primeiro esquadrão da RAF, a força aérea britânica, da qual 
é o único membro ainda vivo. 

Henry diz que viveu seus 112
 aninhos a base de cigarros, 
uísque, cerveja e muitas mulheres fogosas (ele diz que o 
grande segredo é não repetir mulher durante uma mesma 
semana). 

Resumindo: 

Viveu intensamente na maior ESBÓRNIA

E você? Comendo salada de soja, bebendo água, feito um filho da 
puta, controlando a cerveja, a feijoada, cheio dos regimes, 
preocupado com colesterol, pressão alta, bursite, DORMINDO 
CEDO, caminhando como um desgraçado, MALHANDO FEITO 
LOUCO, suando feito lazarento, QUEIXANDO de dor nas pernas! 
...e tudo isso para comer a mesma mulher !!!!
  Pára com isso, meu! 
Siga o exemplo desse vitorioso! 


 
  Valeu, Tio Henry!!!

O PAULINHO A ACTIVAR A DIPLOMACIA ECONÓMICA

À MARGEM: O Paulinho está a proceder: "como o matulão que engana menino e toma-lhe o pão! 
.
O Paulinho leva à China 50 empresários e quem não estiver dentro do assunto pensará que a vasta quantidade de empresários vai procurar levar a cabo grandes negócios de venda de produtos portugueses à China... 
.
Puro engano, porque a maior parte dos 50 empresários, lusos, não vão vender nada, mas comprar produtos, ao preço da uva mijona. 
.
Me recordo há uns 10 anos e de quando representava o ICEP, em Banguecoque, para o Sudeste Asiático, tratei a vinda de uma missão comercial organizada pela Associação Industrial de Lisboa e na lista que me foi enviada, parte dos empresários não vinham vender nada de Portugal, mas comprar acessórios, parafusos, porcas e outro material para as suas fábricas em Portugal. 
.
Com macieza insurgi-me que eu promovia os produtos portugueses, mas simpaticamente, fornecia direcções de empresas tailandesas às empresas portuguesas e não eu a fazê-las directamente.
.
Que não se tome a nuvem por Juno as lides do Paulinho Portas porque, apenas, está a lançar foguetes de fogo de artifícios e a impressionar. 
.
O Paulinho é um nabo nestas andanças diplomáticas e comerciais, porque do mister não percebe patavina. 
.
Assim não valem as acções do Paulinho que custam uma pipa de massa ao contribuinte português.
José Martins
 
 
 
Diplomacia económica
Paulo Portas na China com mais de 50 empresários

Mais de cinquenta empresários vão acompanhar o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Paulo Portas, na sua primeira viagem à China, na maior missão do género enviada àquele país nos últimos cinco anos, disse hoje fonte diplomática.
"A maioria dos empresários já tem negócios ou contactos com a China, mas para alguns será uma estreia", indicou a fonte à agência Lusa.

Indústria agroalimentar, banca, energia, tecnologias da informação, logística e materiais de construção são alguns dos sectores representados.

A viagem de Paulo Portas, que decorre de 01 a 08 de Julho, será também a primeira visita oficial à China de um ministro do actual governo português e coincide com um acentuado crescimento das relações económicas bilaterais.

No dia 02 de julho, em Xangai, os empresários participam no fórum "Caminho das Exportações", organizado pelo semanário Expresso, com o apoio do Barclays Bank, da consultora britânica PWC e da AICEP (Agência para a promoção do Investimento e Comércio Externo de Portugal).

Considerada a "capital económica da China", Xangai é também a maior e mais cosmopolita cidade chinesa, com cerca de 23 milhões de habitantes.

No dia 04 de Julho, em Pequim, os mesmos empresários participam num seminário económico luso-chinês e, como em Xangai, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal intervirá na abertura dos trabalhos.

O antecessor de Paulo Portas, Luís Amado, esteve na China em Abrilde 2010, mas numa visita de carácter essencialmente político e no final de um périplo de cinco dias que incluiu a Coreia do Sul e a Mongólia.

KAOS: Ai a inevitabilidade



O PCP apresentou a sia moção de censura e confesso que há muito que já não tenho paciência, nem para ouvir os argumentos de uns nem as respostas dos outros. Só no caminho de casa ouvi na rádio alguns dos argumentos e se de um lado era a critica ao estado a que chegámos  do outro era a inevitabilidade das medidas perante o estado em que estamos.Não ouvi no entanto aquilo que me parece mais importante.
Primeiro que não existem inevitabilidades e que há sempre outro caminho, que terá outras dificuldades, outros problemas mas que existe.
Depois que se estamos nesta crise isso se deve ao caminho escolhido antes que nos trouxe aqui e querer resolver o problema continuando pelo mesmo caminho, o da globalização capitalista neo-liberal, só nos pode levar a mais crise, mais dificuldades, fome e miséria.
E é a inevitabilidade de seguirmos por este caminho que nos querem impingir, assim como o fizeram com a chantagem que fizeram com os Gregos e que continuam a fazer com todos os povos da Europa, apregoando austeridade para uns para financiar o mesmo sistema financeiro que foi o principal responsavel pela dita cuja crise.
Seja as soluções deste governo em cumprir o memorando e até ultrapassá-lo quer seja a solução do PCP de renegociar a dívida, ambos acabam por incorrer no mesmo erro, o de deixar o sistema continuar a funcionar baseado nos mesmos princípios capitalistas.
O mal está no sistema e não só na forma de como ele é gerido. Só um sistema que coloque como centro as pessoas e não o capital e os mercados, só um sistema baseado na justiça ao serviço dos homens e não em leis criadas pelo próprio capital para dele se servir pode permitir uma mudança que realmente crie a mudança e transforme os homens, não em meros executantes dos desígnios de alguns, mas em seres completos capazes de criar e partilhar.
Teremos nós coragem e determinação para o exigir ou vamos continuar a aceitar a inevitabilidade que nos impõem?

PORTUGAL E A CULTURA DO GAMANÇO....

TVI paga 6 mil euros a Fernando SearaNacionais: 26.6 - 08h Por: Teresa Oliveira com J.F.
.
Fernando Seara é o comentador desportivo mais bem pago da TVI e tem um vencimento mensal bruto de 6250 euros, sabe o CM. O presidente da Câmara Municipal de Sintra e adepto do Benfica leva vantagem quando comparado com Eduardo Barroso e Manuel Serrão, os seus colegas de ‘Prolongamento’, na TVI 24. 
.
O médico sportinguista tem uma avença de 5500 euros brutos por mês, e Manuel Serrão, o mais recente membro na equipa comandada por Joaquim Sousa Martins, recebe dois mil euros brutos por mês para defender o FC Porto.
.
Ainda assim, o comentador mais bem pago da TVI continua a ser Marcelo Rebelo de Sousa, cuja avença mensal é de 10 mil euros.
.
Além do valor que recebe do canal de notícias da Media Capital, Fernando Seara tem ainda um salário mensal superior a dois mil euros por mês como presidente da Câmara Municipal de Sintra. Um valor que seria superior a quatro mil euros, se Seara não tivesse remunerações em empresas privadas.
.
De recordar que o autarca, marido de Judite de Sousa, actual directora-adjunta de Informação da TVI, saiu da SIC em Fevereiro de 2009, onde comentava em ‘O Dia Seguinte’.
.
O CM sabe ainda que a TVI, à semelhança do que fez a SIC no início do ano, procedeu a alguns ajustes nos vencimentos dos seus comentadores, com cortes na ordem dos 15 a 17 por cento. "Houve alguns cortes, de facto, mas foi um procedimento tranquilo e aceite", diz ao CM fonte da TVI.

As capas dos jornais e as principais notícias de Terça-feira, 26 de Junho de 2012.

Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Brasileira dá à luz em autocarro e abandona o filho morto no assento
Mega Ferreira contratado por Lisboa
Coimbra: Bebé fechada em carro
Passos Coelho encoraja desempregados no Facebook
António Oliveira: Rompia contrato
Paulo Macedo: Mais mil médicos
Jardim Gonçalves: Culpabiliza grupo dos 7

Capa do Público Público

Tenha acesso a mais informação. Torne-se assinante Público.
Morreu fundador do PS Júlio Montalvão Machado, Seguro realça “ilustre democrata”
Portugueses consomem mais medicamentos mas gastos do Estado continuam a baixar
Jovem de 16 anos morre em acidente rodoviário em Ansião
Heróis, anti-semitas e nazis: a história que os húngaros não conseguem ler
Passos reafirma que Portugal está mais próximo de vencer a crise
Agência Moody’s corta rating a 28 bancos de Espanha

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

Custos dos remédios à venda nas farmácias descem 11%
Os jornalistas são uns idiotas úteis
Cristiano Ronaldo (2)
Um morto e cinco feridos graves em Pombal e Ansião
1.ª fase de exames perto do fim
Incêndio no Stop em rescaldo, três feridos ligeiros
Incêndio obriga a corte na A1

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Brasil deverá ter 71 novos aeroportos antes do Mundial2014
Maioria das alemãs preferem ver TV a fazer sexo
Atrasos em concursos não deixam renovar ambulâncias
O português que vestiu a Barbie
Brasil deverá ter 71 novos aeroportos antes do Mundial
Nuno Cardoso apontado para liderar Metro e STCP
Jovem de 16 anos morreu em acidente em Ansião

Capa do i i

Moody’s desce 'ratings' a 28 bancos espanhóis, depois da descida do 'rating' do país
Morreu fundador do PS Júlio Montalvão Machado. Seguro realça "ilustre democrata"
Lourdes Maria "na pele" de Madonna
Justin Bieber confunde Capela Sistina com décima sexta capela -vídeo
Associação de Professores faz avaliação positiva de 2ª chamada de Língua Portuguesa
Incêndio no Centro Comercial Stop no Porto em rescaldo. Três feridos ligeiros
Merkel diz que Alemanha deu o exemplo quanto à sustentabilidade financeira

Capa do Diário Económico Diário Económico

Lei das rendas pode falhar meta do Governo
Preço dos medicamentos caiu 4% nos primeiros quatro meses do ano
Banca recusa aumentos salariais e denuncia acordo colectivo
Pedro Passos Coelho não fecha a porta a mais austeridade
Via do Infante perde metade do tráfego
Novas medidas podem custar popularidade
Novas metas para avaliar o Governo

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

Morreu Júlio Montalvão Machado
Acordo para divisão da Cimpor entre Camargo e Votorantim já foi assinado
A primeira página do Negócios da edição de hoje
"Encyclopedia of Chart Patterns" ? "Second Edition"
Alemanha-Grécia
Estado deixa 10 milhões de lucros em Lisboa para compensar falta de fundos
Passos Coelho reconhece sacrifícios dos portugueses em mensagem no Facebook

Capa do Oje Oje

AB InBev quer 50% restantes da Modelo
RIM planeia separar unidade de smartphones
Pautas do futuro estão inscritas nas realidades do presente
O seu currículo na mira dos headhunters
Andrade Gutierrez procura talentos para mercados internacionais
Dívida pública alemã alcança valor recorde no primeiro trimestre
Fundão pode receber 60 milhões

Capa do Destak Destak

Jornalistas da Yonhap terminam greve de três meses
Funcionário do MNE suspeito de fuga de informação sobre Pequim e Pyongyang suicidou-se
Ministro inicia hoje reuniões com sindicatos da Polícia
Fãs de Michael Jackson prestaram homenagem ao cantor três anos depois da sua morte
FENPROF entrega hoje petição no Parlamento por mais investimento
Alexander Lukashenko em Caracas para aprofundar a cooperação
Coreia do Sul vai suspender importações de petróleo em julho

Capa do A Bola A Bola

«Neymar precisa de jogar na Europa» - Dunga
«Entre Ronaldo e Messi escolho...Iniesta» - David Silva
Azuis garantem que têm a situação fiscal regularizada
Balotelli engasga-se mas não falha
Isidoro Sousa garante inscrição esta semana
Proença, Webb ou Rizzoli candidatos à final
Riquelme em poupança para a final da Taça dos Libertadores

Capa do Record Record

Schaars só vai perder a primeira semana
Tudo por definir com Cardozo
Alejandro Savich: «Alvaro apresenta-se dia 9 e chegará motivado»
Lastro de um milhão ameaça orçamento
Nomeação de árbitro turco causa desagrado
Mestria sob pressão
Nelson Oliveira: «Ambiciono ganhar provas importantes»

Capa do O Jogo O Jogo

Moeda ao ar pode definir apuramento olímpico
Japoneses querem comprar o Sabadell
Briguel lesionou-se no primeiro dia
Alemanha multada em mais 25 mil euros
Nove clubes em falta com fisco e segurança social
Hélder Rodrigues o segundo mais rápido
Quinta do Pinheiro novo campeão nacional